Quando ser pobre é...

Quando ser pobre é correr por uma peça de roupa que não faz falta.


'Se calhar, comecei mal ali no título. Não faz falta? Claro que faz falta. Há um vazio no ego de muitas pessoas que é maior que o do estômago do Luaty Beirão dias atrás. Há que correr, lutar, sacrificar, sofrer e fazer sofrer, dar tudo para tentar, apenas tentar, preenche-lo. Temos de comprar, temos de pertencer, temos de nos destacar, ser mais que, ser diferente de. Temos de estar impecáveis quando saímos à rua, tão impecáveis que nos disfarçamos de gente tranquila sem problemas abissais de auto-estima. Depois chegamos a casa e afundamo-nos de novo num poço de merda.

Recuando. Então parece que a H&M lançou uma coleção limitada de uma tal marca Balmain. Perdoem-me a ignorância em relação a moda, mas desconheço tal marca e estou a fazer tudo para assim continuar. O cenário do lançamento, segundo o que li e vi na reportagem da New in Town, foi de correrias e disputas pelas peças. Calma, porque até houve uma família, mãe, filha e padrasto, que acampou durante a noite à porta da H&M.

Eu agora podia descrever-vos a vergonha alheia que sinto neste momento com isto tudo, mas ia demorar ainda mais páginas que o Eça fez para falar da casa da Rua das Janelas Verdes, e com muito menos qualidade.

Em que ponto é que alguém se torna tão miserável intrinsecamente que se sujeita a esta figura absurdas? Não é comida, não é um cobertor para aquecer nas noites frias, não é um emprego.

Mas, se calhar, estou completamente enganado. Se calhar, o rapaz que lutou, e ganhou, pelo blazer branco agora vai finalmente conseguir o emprego com que sempre sonhou, ou sair do armário e ser feliz, ou ir passeá-lo para Miami à la Don Johnson, ou até mesmo deixar de ser tão ridiculamente básico. A sério que acredito nisto. Até porque um dia também comprei umas hawaianas e por causa delas consegui ir para a praia calçado e fiquei muito feliz. Foi muito importante para a minha vida.

Enfim, não me vou irritar mais com este assunto mundano e absolutamente vergonhoso.

Vou continuar aqui a minha viagem pela Índia, onde há pelo menos 20 sem abrigo por cada rua, onde há milhares de milhões de pessoas que andam descalças e vestidas com farrapos a viver com menos de 1€ por dia. E não é que falei com algumas delas e são milhões de vezes menos miseráveis do que quem corre e briga por uma peça de roupa de marca?

Não, não temos de nos nivelar todos pela miséria material real de algumas pessoas, mas se algum dia houver saldos de bom senso, espero que também aproveitem para o comprar em barda.'

Retirado daqui

E como se isto nas bastasse, vejo uma notícia em que uns miúdos e depois respectivas famílias começaram uma briga e acabaram no Hospital por causa da promoção dos 50% de desconto em brinquedos do Continente! E sim, aconteceu em Portugal!
Anda tudo maluco, só pode...

Comentários

Mensagens populares deste blogue

Os melhores queijos frescos